quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Peter Frampton Do You Feel Like We Do Midnight Special 1975 FULL

Peter Frampton (Beckenham, Kent, 22 de abril de 1950) é um músico britânico mais conhecido por seu trabalho solo nos anos 70 como roqueiro de arena. Ele tornou-se famoso, entretanto, como integrante do The Herd quando se transformou num ídolo das adolescentes na Grã-Bretanha. Frampton ficou famoso por ser o primeiro guitarrista a utilizar do recurso da guitarra falada, que seria anos depois imitado por Slash (Guns n' Roses), Richie Sambora (Bon Jovi) e Dave Grohl (Foo Fighters). Ele então passou a trabalhar com Steve Marriott (dos The Small Faces) na banda Humble Pie, assim como em álbuns de Harry Nilsson, Jerry Lee Lewis e George Harrison. Sua estreia solo foi em 1972 com Wind of Change.

A explosão solo de Frampton veio com Frampton Comes Alive, seis vezes platina e que incluía os sucessos "Do You Feel Like We Do", "Baby, I Love Your Way" e "Show Me the Way".

Foi o álbum "ao vivo" mais vendido de todos os tempos. Depois que o álbum seguinte I'm in You foi lançado, Frampton envolveu-se em um sério acidente de carro nas Bahamas. Enquanto se recuperava, ele atuou em 1978, com os Bee Gees, no filme Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, um fracasso retumbante. Nos anos 80, Frampton voltou a gravar, mas nunca mais retornou às paradas de sucesso. Seu último álbum foi Thank You Mr. Churchill.

Depois do atentado ao World Trade Center em Nova Iorque, Frampton decidiu tornar-se um cidadão americano. Ele teve papel ativo na campanha eleitoral de 2004 do candidato John Kerry. Recentemente Peter Frampton ganhou o seu primeiro Grammy pelo seu álbum totalmente instrumental "Fingerprints", lançado no fim de 2007 que conta com integrantes do Pearl Jam, Rolling Stones, Allman Brothers Band e outros.

Fonte Wikipédia
O Rock in Rio foi realizado pela primeira vez na cidade do Rio de Janeiro, Brasil entre 11 e 20 de janeiro de 1985 em área especialmente construída para receber o evento. O local, um terreno de 250 mil metros quadrados que fica próximo ao Rio Centro, em Jacarepaguá, ficou conhecido como "Cidade do Rock" e contava com o maior palco do mundo já construído até então: com 5 mil metros quadrados de área, além de dois imensos fast foods, dois shopping centers com 50 lojas, dois centros de atendimento médico e uma grande infra-estrutura para atender a quase 1,5 milhão de pessoas - o equivalente a cinco Woodstocks - que frequentaram o evento.

A grande fama do evento deveu-se ao fato de que, até sua realização, as grandes estrelas da música internacional não costumavam visitar a América do Sul, pelo que o público local tinha ali a primeira oportunidade de ver de perto os ídolos do rock e do pop internacionais. Logo depois do fim do Rock in Rio, a "Cidade do Rock" foi demolida por ordem do então governador do Rio de Janeiro, Leonel Brizola. A organização do festival pediu ocupação provisória do terreno, com o intuito de manter a sua posse, após o fim do evento, caracterizando invasão de propriedade pública. No entanto, Brizola decretou sua demolição para efetuar a reintegração de posse do terreno patrimônio do município do Rio de Janeiro.

    AC/DC: O grupo australiano exigiu como condição para poder tocar no festival usar um sino de meia tonelada, tocado pelo vocalista Brian Johnson na canção "Hells Bells". O aparato veio de navio, porém, era muito pesado para a estrutura do palco, obrigando um dos cenógrafos do festival a fazer, secreta e apressadamente, um sino de gesso para a ocasião. A banda interrompeu as gravações do disco Fly on the Wall, que seria lançado meses depois, para tocar no festival, como parte da turnê do disco Flick of the Switch (1983). O encerramento do show foi marcado pelo disparo de dois canhões, um de cada lado do alto do palco, em "For those about to rock".

    Os Paralamas do Sucesso: O trio carioca de rock brasileiro foi considerado a grande revelação do festival promovendo o seu segundo disco, O Passo do Lui. Convidados de última hora, não puderam convidar banda de apoio ou construir cenário - a decoração era apenas um vaso com uma palmeira. Durante o show, criticaram a plateia que vaiou as outras bandas brasileiras e homenagearam a ausência de bandas paulistas no evento executando "Inútil", do Ultraje a Rigor. O show do dia 16 foi lançado em DVD em 2007 com o título Rock in Rio 1985.

    Iron Maiden: Os integrantes da banda consideram sua aparição no evento uma das experiências mais marcantes de suas carreiras. Parte da turnê World Slavery Tour 84/85, do disco Powerslave (1984), tocou para 200 mil pessoas. A banda foi a única estrangeira a fazer um único show, ao invés de dois. O show foi incluído na versão em DVD do vídeo Live After Death.

    Barão Vermelho: No show do dia 15, o quinteto carioca foi o único grupo brasileiro que não foi vaiado e conseguiu arrancar aplausos dos fãs de heavy metal interessados nos shows de AC/DC e Scorpions. No mesmo dia, ocorria em Brasília, no Colégio Eleitoral, a eleição presidencial indireta que escolheu Tancredo Neves como novo presidente, dando um grande passo na redemocratização do país. O palco e a plateia contavam com várias bandeiras do Brasil. O então guitarrista e atual vocalista Frejat subiu ao palco usando uma calça verde e uma camisa amarela, e a banda fechou o show tocando "Pro Dia Nascer Feliz", com o coro uníssono da platéia no refrão. No show do dia 20, o Barão tocou uma canção inédita feita por Cazuza em parceria com Lobão, intitulada "Mal Nenhum", que seria gravada pelo próprio Cazuza em carreira solo, e também a música "Um Dia na Vida" (Cazuza/Maurício Barros) que ainda era inédita e foi gravada no 4º LP do Barão (em 1986, porém, sem Cazuza, e é por isso que a versão dela no "Rock in Rio" já é mais rara, ao contrário de sua versão no LP Declare Guerra, com o vocal de Roberto Frejat). O show do dia 15 lançado no LP e CD 'Barão Vermelho ao Vivo em 1992, sendo posteriormente relançado como CD e DVD em 2007, com o título Rock in Rio 1985. O grupo promovia o seu terceiro disco, Maior Abandonado.

    James Taylor: O cantor enfrentava dependência de drogas e o divórcio da também cantora Carly Simon. Taylor declarou que pensava em abandonar a carreira logo após o Rock in Rio I, do qual participaria apenas por compromisso contratual. O cantor declarou-se, porém, comovido com a inesperada recepção do público, e ali decidiu que retomaria as rédeas de sua carreira. Em homenagem ao ocorrido, Taylor compôs a balada "Only a Dream in Rio" (Apenas um sonho no Rio), na qual declama versos como "I was there that very day and my heart came back alive" ("Eu estava lá naquele dia e meu coração voltou à vida"). Anos mais tarde, ao ser convidado para participar da terceira edição do evento, em 2001, Taylor declarou que para ele era "questão de honra" participar do Rock in Rio.

    Ivan Lins: Para o cantor, o festival representou o ápice da sua carreira. Ele quase perdeu a voz durante sua apresentação no evento e pediu o apoio da plateia na performance de suas canções. Na época do festival, Ivan Lins era fumante e numa entrevista recente, ele disse que suspeitou que a quase perda da sua voz no evento teria sido causado pelo cigarro e, por isso, ele parou de fumar.

    Ozzy Osbourne: Ozzy veio promover seu disco de 1983, Bark at the Moon. No que foi qualificado como "falha de organização", sua apresentação foi marcada logo antes da de Rod Stewart. Ao assistir dos bastidores a passagem de som do cantor escocês, Osbourne disse haver pensado que seria vaiado e expulso do palco, pois seu estilo era diametralmente oposto ao do ex-vocalista do The Faces, e não acreditava que fãs do primeiro pudessem apreciar sua música. O contrato de Ozzy incluía uma cláusula proibindo-o de comer qualquer tipo de animal vivo no palco, em referência ao famoso episódio em que Osbourne decapitou um morcego a dentadas em um show de 1982; um fã atirou uma galinha no palco, e Ozzy a deu para seus roadies. Ozzy também se apresentou usando uma camisa do Flamengo (presente dado por um fã) - o momento chegou a virar capa de revista no Brasil. Outro momento marcante do show foi o solo de bateria sem baquetas de Tommy Aldridge.

    Pepeu Gomes: Mesmo encontrando uma plateia hostil com a maior parte dos artistas brasileiros, Pepeu foi ovacionado e reconsagrado. Pepeu considera o Rock in Rio como um dos maiores momentos de sua carreira, pois abriu novas portas para uma carreira no exterior. Após o show Pepeu foi cumprimentado por John Sykes, guitarrista do Whitesnake.

    Queen: Estrelas máximas do evento, todos os integrantes do Queen concordam em qualificar aquela apresentação como uma das cinco mais emocionantes do grupo, e Freddie Mercury qualificava a execução da canção "Love of My Life" como a melhor jamais feita pela banda. Na época, o grupo inglês estava na turnê do disco The Works.

    Rod Stewart: Com sua característica voz rouca, Rod fez a plateia cantar com ele.

    Scorpions: Os alemães vieram promover a turnê do disco Love at First Sting. No show do dia 15, o vocalista Klaus Meine pegou uma grande bandeira do Brasil e a tremulou. No show do dia 19, o guitarrista Matthias Jabs usou uma guitarra parecida com a que está no logotipo do festival e com pequenas bandeiras do Brasil estampadas nela. A banda filmou a visita ao Rio e algumas imagens foram editadas no videoclipe da versão ao vivo de "Still Loving You" (que na época era parte da trilha sonora da novela Corpo a Corpo), lançada no disco World Wide Live, seis meses depois do show.

    Yes: O Yes realizou o sonho de muitos roqueiros brasileiros, mostrando ao vivo seu eletro sinfônico de rock progressivo, realçado por incrível iluminação e algumas aparições de laser durante as músicas. A banda inglesa promovia o disco 90125, lançado em 1983 e que tinha o megahit "Owner of a Lonely Heart".

    Whitesnake: A banda liderada por David Coverdale foi chamada às pressas para o festival, no lugar do Def Leppard, que cancelou a participação devido aos atrasos na gravação do álbum Hysteria (que seria lançado em 1987), agravados pelo grave acidente sofrido pelo baterista Rick Allen na noite do Ano Novo de 1985, que teve o braço esquerdo amputado. Coverdale reformulou a banda às pressas, pois só restou o baterista Cozy Powell, que fez parte da formação do disco Slide It In (1984). O álbum mencionado é conhecido pelas canções "Guilty Of Love", "Slow An' Easy" e "Love Ain't No Stranger", a última conhecida no Brasil devido à sua execução em uma campanha publicitária dos cigarros Hollywood.

Rock in Rio 1985: ACϟDC - Highway To Hell

Já que mais abaixo falei da apresentação do Queen no Rock in Rio de 1985, coloquei mais alguns vídeos deste que na minha opinião foi a melhor de todas as versões do Rock in Rio. Alguns vídeos não estão bons na qualidade do som e das imagens, mas vale a pena.

Rock in Rio 1985: ACϟDC - Back in Black

Ozzy Osbourne - Crazy Train - Rock in Rio, janeiro de 1985

Iron Maiden - The Trooper [Rock in Rio, 1985] (Low Quality)

03 - Barão Vermelho Subproduto de Rock - Rock in Rio 20/01/1985 By: Demé...

LOVE OF MY LIFE - Rock in Rio '85

Um dos maiores festivais que já aconteceram no mundo, me arrisco a dizer que só ficou atrás do Festival de Woodstock e o da Ilha de Wight. Nenhuma da outras versões posteriores, bateu a primeira edição do Rock in Rio de 1985, e o Queen, com Love of My Life, foi uma das grandes apresentações do festival, com o público cantando junto, é simplesmente de arrepiar, é como o público cantando I Want To Take You Higher com o Sly & The Family Stone no Festival de Woodstock. Fantástico!!!!

QUEEN - Don't stop me now (with lyrics)

Foram de carreiras estranhas ao meio musical que surgiram as figuras que integraram uma das bandas de maior público de todos os tempos. Em 1970, o doutorando em astronomia Brian May e seu colega, o bacharel em biologia Roger Taylor, juntaram-se ao professor de eletrônica John Deacon e o designer e ilustrador Frederick Bulsara, mais conhecido como Freddie Mercury, para montar o Queen. Seus compromissos curriculares atrasaram uns dois anos a estreia em turnês. Nesse tempo ensaiavam e formulavam o som da banda.

Em seu homônimo álbum de estreia já dava uma idéia do que estava por vir: uma intrincada combinação de heavy metal e glam rock, com um excelente suporte de um vocal semi-operístico. A fórmula foi patenteada em seu quarto álbum - A Night at the Opera, o álbum branco do Queen - e a partir daí o sucesso em todo o planeta foi alcançado. Em 1981 bateram um recorde de público, tocando para um público de 231.000 pessoas no estádio do Morumbi em São Paulo.


terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

♥ PRETTY VACANT - JOAN JETT ♥

Uma das mais gatas vocalistas do Rock, Joan Jett, em uma versão excelente de uma das melhores música dos Sex Pistols, Pretty Vacant, do albúm Never Mind the Bollocks, Here's the Sex Pistols", lançado em 1977, e que este ano vai ganhar uma edição especial pela passagem dos 35 anos de seu lançamento.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Dire Straits - Lady writer [Rockpalast 79 ~ HD]

Fugindo um pouco de Sultans of Swing, Money for Nothing, Brothers in Arms e outras, Lady Writer é uma das grandes músicas desta banda.

Formada em 1977 pelos irmãos David e Mark Knopfler, o Dire Straits é conhecido como o grupo que recolocou a guitarra em seu devido lugar no rock. Já na primeira demo - que custou 120 libras - com os irmão nas guitarras, mais John Illsley no baixo e Pick Withers na bateria, denotavam seu distanciamento da cena Punk. Sultans of Swing, que numa versão aprimorada, estouraria nas paradas de todo o mundo. Já o segundo trabalho, Communiqué, não encontrou a mesma receptividade. O sucesso voltou com o lançamento em 1985 de Brothers in Arms, desde então Mark vem se dedicando a criação de trilhas sonoras e produzir e tocar com meio mundo.

Outro detalhe sobre Mark Knopfler, é uma banda que ele criou com um leva de músicos protegidos seus, Notting Hillbillies, vale a pena escutar.


sábado, 18 de fevereiro de 2012

Sly & The Family Stone - I Want To Take You Higher

Querem conhecer o verdadeiro Funk?!?!?!? ISTO É O VERDADEIRO FUNK!!!!

Quando foram liberadas as importações, fui na Tabacaria Kankan e encomendei o álbum Stand de 1969. Levou 10 meses para chegar, o Marcelo não estava conseguindo nem no país de origem do Sly Stone. No Brasil só duas pessoas conheciam esta banda. Só se achou o álbum na Noruega e valeu a pena esperar, veio em uma caixa comemorativa dos 25 anos da gravadora, o CD banhado a ouro 24, encarte com fotos e letras das músicas, presentaço.

O que vale a pena é a partir do 5 minutos e pouco em que Sly faz um público de 500 mil pessoas cantarem com ele. No disco de vinil a gravação do público está fantástica, de arrepiar, infelizmente, no CD limparam demais.

Joe Cocker With A Little Help From My Friends Woodstock

Não sou muito fã dos Beatles, gosto de muitas músicas, e o único LP, opaaaaa.... LP ainda, estou ficado velho eheheheheh, mas vamos lá, o único álbum dos Beatles que eu consigo escutar inteiro sem pular nenhuma música é o Let It Be.

Mas porque falei isso acima? Sempre que escuto uma música dos Beatles cantada por outro grupo ou músico, a música me parece muito melhor. É o caso de With a Little Help From My Friend, escutem esta música no álbum Srgt. Peppers e depois com o Joe Coker e me digam: qual a melhor versão?

Santana - Soul Sacrifice (Woodstock 1969) Incredible drum solo by 20 yr ...

Particularmente, não sou muito fã do estilo musical do Santana, mas esta apresentação no Festival de Woodstock passou a ser um dos ícones do Festival, juntamente com Joe Coker e Jimi Hendrix.

Esta foi a primeira grande apresentação de Carlos Santana e banda, Soul Sacrifice o lançou ao sucesso mundial, seu baterista foi simplesmente fantástico, assim como toda a seção rítmica. Um clássico, vale a pena.

O vídeo logo abaixo, Samba Pa Ti, fez um sucesso muito grande no Brasil em meados da década de 1970, o single foi lançado em 1974, mais um show de Santana na guitarra.

Mesmo não sendo o meu estilo de música, não posso negar que gosto muito das duas músicas, em particular do solo de bateria de Soul Sacrifice.

Santana. Samba Pa Ti

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

MC5- Kick Out The Jams (Extended)

O vocalista Rob Tyner, os guitarristas Fred "Sonic" Smith e Wayne Kramer, o baixista Michael Davis e o baterista Dennis Thompson, compuseram uma das formações mais vicerais do rock, enquanto MC5. Ao lado dos Stooges, também de Detroit, eles podem ser considerados os percursores do Punk e derivados.

Sua história remete a um bando freaks, com algum equipamento e uma garagem para ensaiar, sempre tocando muito alto. Agregados ao partido White Panthers, do anarquiata John Sinclair, o grupo participava dos happenings feitos pela organização, onde sua guerrilha sonora se misturava a uma performance alucinada, entremeada de slogans e palavras de ordem.

Tamanha agitação não atraiu só a atenção do público, mas também dos executivos da gravadora, que passou a boicotar a distribuição do álbum de estreia do grupo, e até do FBI, com Sinclair e os membros do grupo envolvidos em diversos processos e prisões por porte e uso de drogas.

O MC5 ainda teria fôlego para lançar mais dois discos, antes de se disolverem, no fim de 1971. Mas sua influência ainda é marcante no cenário do rock.


MC5 - Ramblin' Rose 1972

new york dolls- looking for a kiss

As "bonecas" de Nova Yourk funcionaram como uma espécie de ponte entre o rock primal praticado nos anos 1960 pelo Velvet Underground, Stooges e MC5 e o advento do Punk.

Travestidos e sob pesada maquiagem, os rapazes do quinteto começaram a causar sensação no circuito novaiorquino no fim de 1971, mas só chegaram ao primeiro disco quase dois anos depois, com sua formação definitiva: David Johansen(vocal), Johnny Thunders e Sylvain Sylvain(guitarras), Arthur Kane(baixo) e Jerry Nolan(bateria).

Os dois primeiros albuns do grupo são clássicos inquestionáveis, mas nunca emplacaram comercialmente, o que fez com que Thunders e Nolan logo abandonassem a banda.

Johansen e Sylvain ainda continuaram a tocar o grupo com outros músicos, mas sem nenhum resultado mais efetivo. Ambos partiram para suas carreiras solo, o primeiro mudando seu nome para Bruce Poindexter.

Thunders formou várias bandas, entre elas a Gang War com o ex-guitarrista do MC5 Wayne Kramer, e também partiu para discos individuais, até morrer de overdose em 1991.


New York Dolls - Musikladen, 1973, Pills, Trash

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

The Rolling Stones - You Gotta Move

Quando eu morrer, durante o velório tem que rodar muito Blues, Soul, Black Music, Rock'n'Roll, e quando o meu corpo estiver sendo levado, essa é a música que tem que ir acompanhando...

The Rolling Stones - I Got the Blues

E esta logo em seguida....

Otis Rush - I Got The Blues

Vai aí minhas raizes negras, minha verdadeira paixão, R&B, Blues, Soul e o verdadeiro Funk. Esta é versão de I Got The Blues, tocada acima pelos Rolling Stones. Vou cometer uma eresia, mas prefiro com os Stones.

DR FEELGOOD MAD MAN BLUES

Uma das bandas mais influentes na origem do punk inglês, foi o quarteto formado por Lee Brilleaux(voz e gaitas), Wilko Johnson(guitarra), John B. Sparks(baixo) e John "The Big Figure" Martin(bateria). Astros do pub rock na primeira metade dos anos 1960, o Dr. Feelgood primava por um rock direto e cru, num tempo em que a palavra de ordem era progressivo. Apoiando-se em covers de R&B e nas canções próprias, a maioria assinadas por Wilko, o grupo gravou dois álbuns antológicos, o primeiro deles, Down By The Jetty, totalmente em mono. Com Malpractice(que significa imperícia médica), atingiram a perfeição em seu estilo, especialmente pelas guitarras precisas de Wilko.

Dr. Feelgood continua até hoje na sua linha revivalista, mas sem a mesma energia dos velhos tempos.

Dr Feelgood - Baby Jane

Tom Petty - Learning To Fly

Desde seu primeiro registro com The Heartbreakers, em 1976, Tom Petty evidenciou um grande débito com o folk-rock de Bob Dylan e, particularmente, com os Byrds. Anos de exposição maciça atraíram um público cativo, com álbuns como Damn The Torpedoes e Hard Promises, consolidando sua fama nos Estados Unidos.

Compositor de mão cheia, Petty manteve o pique da carreira ao longo dos anos 1980, e Open, prova que o artista manteve-se fiel a suas origens.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Garotos da Rua - To de Saco cheio

Um pouco do Rock Gaúcho da década de 1980.

Minha cidade, Rio Grande, também gerou muitas bandas boas, tivemos o Filhos da Pauta, Trampo, Tríade, Neanderthal, e muitas outras, mas a que fez mais sucesso, com dois músicos rio-grandinos excelentes, Bebeco Garcia e Edinho Galhardi, foi a Garotos da Rua, e por mais que o cara queira procurar outra música para colocar, a gente acaba caindo nesta, mas para compensar, no futuro coloco outras.

Bebeco, valeu pela boa música que deixaste, Rest In Peace!


Os Replicantes - Hippie-Punk-Rajneesh (Ao Vivo) Com Wander

Os Cascavelletes - Jessica Rose (ORIGINAL)

19 - TNT - Cachorro Louco (Vivo)

TALKING HEADS

O Talking Heads foi uma banda surgida em Nova Iorque, EUA, no dia 8 de setembro de 1974, entre os movimentos punk e new wave. Formada pelo guitarrista e vocalista David Byrne, e por Chris Frantz, Tina Weymouth e Jerry Harrison, a banda ganhou notoriedade por fundir o rock e o new wave com a world music, principalmente ritmos africanos.

David Byrne, nascido em Dumbarton, Escócia, em 1952, além do trabalho com o grupo, compôs trilhas para artistas como Twyla Tharp e Robert Wilson, nomes da dança e do drama respectivamente, além do filme O Último Imperador (de 1987, realizado por Bernardo Bertolucci) pelo qual ganhou um Oscar. Também dirigiu o filme "True Stories" (de 1986) e produziu diversos álbuns de música caribenha e brasileira (incluindo trabalho com Tom Zé e Margareth Menezes), notadamente "Rei Momo" (de 1989) e um vídeo documentário sobre o candomblé chamado "The House of Life" (também de 1989).

O grupo existiu de 1974 até 1991. O Talking Heads fez a sua história com a mistura do punk, rock, funk, new wave e world music.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Sisters of Mercy - Temple of Love '92

Bateu a nostalgia de uma década sem igual. Muito bom isso, muito escutei na discoteca que eu ia em Pelotas, o Maçã Verde, até os nomes eram ridículos, mas era bom....

Trio -- Da Da Da [[ Official Video ]]

Isso é um lixo, mas quem não escutou nas rádios no início da década de 1980?

Trio - Sabine Sabine Sabine1982 NDW

The Cult - She Sells Sanctuary (Official Music Video) + Lyrics (HQ)

No fim dos anos 70, um jovem chamado Ian Astbury decidiu criar uma banda. Este foi o início do Southern Death Cult, um grupo de rock gótico pós-punk. A música do grupo não combinava totalmente com o seu estilo, uma vez que Astbury era muito influenciado pela música e visuais dos anos 60.

Em 1983, com o fim do Southern Death Cult, Ian Astbury junta-se a Billy Duffy (guitarra, ex-Theatre of Hate), Jamie Stewart (baixo, ex-Ritual) e Ray Mondo (bateria), e a banda passa a se chamar Death Cult.

Em julho de 1983, a banda lançou Death Cult, um EP com quatro canções. Em setembro do mesmo ano, Ray deixa a banda para dar lugar a Nigel Preston, (ex-Sex Gang Children). Com o novo baterista, o Death Cult lança em outubro de 1983 o single God Zoo.

Em uma sexta-feira, (13 de Janeiro de 1984), antes de fazerem um programa de TV, Ian decide que a banda passaria a se chamar The Cult, retirando, assim, a conotação "gótica" da banda. Astbury justificaria assim esta mudança: "nós somos mais vida do que morte".

Mudfly - See Tomorrow

Quem disse que escoteiro não sabe fazer um bom rock!

Como diria Baden-Powell: "Sempre Alerta YEEEEEHHHHH!